Como Atuamos

Nossa Historia

Ambulatório de Prematuros

A maioria das mulheres ao se tornar mãe, sente um misto de felicidade e medo. Medo de não saber cuidar direito daquele bebê tão pequeno, mas já tão amado. Quando esse bebê é visivelmente mais frágil, porque nasceu antes da hora, com baixo peso e tem mais riscos de apresentar problemas de saúde e sequelas importantes, esse medo torna-se ainda maior. É nessa hora que as mães precisam de apoio e orientação para que seus bebês prematuros tenham acesso aos cuidados especiais que necessitam desde a infância até a adolescência.

Ambulatório de Prematuros

A maioria das mulheres ao se tornar mãe, sente um misto de felicidade e medo. Medo de não saber cuidar direito daquele bebê tão pequeno, mas já tão amado. Quando esse bebê é visivelmente mais frágil, porque nasceu antes da hora, com baixo peso e tem mais riscos de apresentar problemas de saúde e sequelas importantes, esse medo torna-se ainda maior. É nessa hora que as mães precisam de apoio e orientação para que seus bebês prematuros tenham acesso aos cuidados especiais que necessitam desde a infância até a adolescência.

Foi com esse objetivo que a Universidade Federal de São Paulo – Unifesp criou, há mais de 30 anos, o Ambulatório de Prematuros. Coordenado pela Disciplina de Pediatria Neonatal, o Ambulatório oferece acompanhamento multiprofissional especializado aos prematuros nascidos com peso inferior a 1500g no Hospital São Paulo, Hospital Municipal Vereador José Storopolli e Hospital Estadual de Diadema.

A equipe do Ambulatório é formada por pediatras, neurologistas, oftalmologistas, dermatologistas, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, psicólogas, odontologistas, nutricionista e assistente social.

Mas o Ambulatório ou a “Casinha” como é carinhosamente chamado, vai muito além do acompanhamento com profissionais de saúde especializados em prematuridade. Ela é um local onde esses bebês e suas famílias são acolhidos e recebem total apoio para enfrentar esse momento tão delicado.

E esse apoio tornou-se ainda mais especial com a criação
do Instituto do Prematuro – Viver e Sorrir.

A maioria das crianças em acompanhamento pertence a famílias que enfrentam dificuldades sociais e precisam de ajuda para aderir corretamente ao tratamento. Ao buscar recursos para auxiliar a Disciplina de Pediatria Neonatal no desenvolvimento de suas atividades e também para oferecer apoio social às famílias, o Viver e Sorrir tem contribuído para melhorar ainda mais o trabalho desenvolvido no Ambulatório.

Foi com a ajuda de empresários, por exemplo, que o Viver e Sorrir conseguiu viabilizar uma reforma para melhorar as condições de atendimento, adequando a recepção e ampliando o número de salas. Com a reforma foi possível implantar o serviço de oftalmologia com consultório totalmente equipado e também o consultório de odontologia, sob a responsabilidade de uma equipe de odontologistas voluntários.

Atualmente, estão em acompanhamento no Ambulatório cerca de 900 crianças e adolescentes entre 0 e 19 anos de idade, sendo que a cada ano, cerca de 100 novas crianças nascidas prematuras no Hospital São Paulo e unidades afiliadas ingressam para atendimento.

Foi com esse objetivo que a Universidade Federal de São Paulo – Unifesp criou, há mais de 30 anos, o Ambulatório de Prematuros. Coordenado pela Disciplina de Pediatria Neonatal, o Ambulatório oferece acompanhamento multiprofissional especializado aos prematuros nascidos com peso inferior a 1500g no Hospital São Paulo, Hospital Municipal Vereador José Storopolli e Hospital Estadual de Diadema.

A equipe do Ambulatório é formada por pediatras, neurologistas, oftalmologistas, dermatologistas, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, psicólogas, odontologistas, nutricionista e assistente social.

Mas o Ambulatório ou a “Casinha” como é carinhosamente chamado, vai muito além do acompanhamento com profissionais de saúde especializados em prematuridade. Ela é um local onde esses bebês e suas famílias são acolhidos e recebem total apoio para enfrentar esse momento tão delicado.

E esse apoio tornou-se ainda mais especial com a criação
do Instituto do Prematuro – Viver e Sorrir.

A maioria das crianças em acompanhamento pertence a famílias que enfrentam dificuldades sociais e precisam de ajuda para aderir corretamente ao tratamento. Ao buscar recursos para auxiliar a Disciplina de Pediatria Neonatal no desenvolvimento de suas atividades e também para oferecer apoio social às famílias, o Viver e Sorrir tem contribuído para melhorar ainda mais o trabalho desenvolvido no Ambulatório.

Foi com a ajuda de empresários, por exemplo, que o Viver e Sorrir conseguiu viabilizar uma reforma para melhorar as condições de atendimento, adequando a recepção e ampliando o número de salas. Com a reforma foi possível implantar o serviço de oftalmologia com consultório totalmente equipado e também o consultório de odontologia, sob a responsabilidade de uma equipe de odontologistas voluntários.

Atualmente, estão em acompanhamento no Ambulatório cerca de 900 crianças e adolescentes entre 0 e 19 anos de idade, sendo que a cada ano, cerca de 100 novas crianças nascidas prematuras no Hospital São Paulo e unidades afiliadas ingressam para atendimento.

Como funciona o Ambulatório e o apoio do Viver e Sorrir: atendimento no momento certo

Como funciona o Ambulatório e o apoio do Viver e Sorrir: atendimento no momento certo

Os bebês nascidos prematuros apresentam maior risco de problemas e sequelas que podem ser evitados ou minimizados se tratados precocemente. Entre os mais frequentes estão:

– Deficiências motoras que atingem 12% dos prematuros
– Déficit visual observado em 10%
– Déficit auditivo em 6%
– Alterações de linguagem em 21%
– Alterações de comportamento como déficit de atenção e hiperatividade em cerca de 20%.

Além disso, os prematuros, em geral, apresentam com maior frequência déficits de crescimento, anemia,doenças gastrointestinais e respiratórias.tuar de forma precoce, nesses casos, faz toda a diferença. Por isso, a primeira consulta é agendada logo após a alta hospitalar, quando além das orientações dos especialistas da Unidade Neonatal, a mãe recebe um DVD produzido especialmente pelo Viver e Sorrir no qual os profissionais do Ambulatório de Prematuros explicam os riscos da prematuridade e a importância do acompanhamento em cada uma das especialidades.

No Ambulatório os prematuros são atendidos de forma rotineira pelos profissionais de todas as áreas. É a partir daí que a atuação do Viver e Sorrir no Ambulatório de Prematuros torna-se fundamental para que os prematuros possam aderir corretamente ao tratamento.

Já na primeira consulta com o pediatra, todos os bebês recebem um enxoval completo e são incluídos no programa de auxílio social. Por esse programa, o Instituto do Prematuro doa, durante um ano após a interrupção do aleitamento materno, a quantidade necessária de fórmula láctea para sua adequada nutrição.

Depois, durante o acompanhamento com a equipe multiprofissional, conforme as necessidades de tratamento de cada criança, o Viver e Sorrir viabiliza itens como: órteses, óculos, cadeira de rodas, palmilhas especiais, medicamentos, fraldas, aparelhos ortodônticos, cestas básicas entre outros. Outro motivo de preocupação da equipe do Ambulatório é evitar que as crianças e adolescentes faltem às consultas comprometendo o tratamento. Por isso, as consultas com os especialistas são agendadas sempre que possível para o mesmo dia. E, caso a família necessite, o Instituto do Prematuro oferece o vale-transporte.

Os bebês nascidos prematuros apresentam maior risco de problemas e sequelas que podem ser evitados ou minimizados se tratados precocemente. Entre os mais frequentes estão:

– Deficiências motoras que atingem 12% dos prematuros
– Déficit visual observado em 10%
– Déficit auditivo em 6%
– Alterações de linguagem em 21%
– Alterações de comportamento como déficit de atenção e hiperatividade em cerca de 20%.

Além disso, os prematuros, em geral, apresentam com maior frequência déficits de crescimento, anemia,doenças gastrointestinais e respiratórias.tuar de forma precoce, nesses casos, faz toda a diferença. Por isso, a primeira consulta é agendada logo após a alta hospitalar, quando além das orientações dos especialistas da Unidade Neonatal, a mãe recebe um DVD produzido especialmente pelo Viver e Sorrir no qual os profissionais do Ambulatório de Prematuros explicam os riscos da prematuridade e a importância do acompanhamento em cada uma das especialidades.

No Ambulatório os prematuros são atendidos de forma rotineira pelos profissionais de todas as áreas. É a partir daí que a atuação do Viver e Sorrir no Ambulatório de Prematuros torna-se fundamental para que os prematuros possam aderir corretamente ao tratamento.

Já na primeira consulta com o pediatra, todos os bebês recebem um enxoval completo e são incluídos no programa de auxílio social. Por esse programa, o Instituto do Prematuro doa, durante um ano após a interrupção do aleitamento materno, a quantidade necessária de fórmula láctea para sua adequada nutrição.

Depois, durante o acompanhamento com a equipe multiprofissional, conforme as necessidades de tratamento de cada criança, o Viver e Sorrir viabiliza itens como: órteses, óculos, cadeira de rodas, palmilhas especiais, medicamentos, fraldas, aparelhos ortodônticos, cestas básicas entre outros. Outro motivo de preocupação da equipe do Ambulatório é evitar que as crianças e adolescentes faltem às consultas comprometendo o tratamento. Por isso, as consultas com os especialistas são agendadas sempre que possível para o mesmo dia. E, caso a família necessite, o Instituto do Prematuro oferece o vale-transporte.

Acompanhamento Humanizado

Acompanhamento Humanizado

No Ambulatório de Prematuros, além do acompanhamento altamente especializado, as crianças, adolescentes e seus familiares encontram também o apoio de voluntárias do Instituto do Prematuro que contribuem para tornar o ambiente ainda mais agradável.

São elas que auxiliam no acolhimento dos pacientes e acompanhantes, promovem atividades de entretenimento para as crianças enquanto aguardam pela consulta, preparam e distribuem os lanches servidos, cuidam do bazar, distribuem os benefícios e estimulam a troca de experiências entre as mães.

Por tudo isso, a parceria entre a Unifesp e o Instituto do Prematuro – Viver e Sorrir tornam o Ambulatório de Prematuros ou a “Casinha” tão especial. Um local, onde as famílias de prematuros graves encontram acompanhamento com profissionais de saúde altamente qualificados, apoio social e emocional para que se sintam seguros e, juntos, possam oferecer a essas crianças e adolescentes melhores condições de saúde e qualidade de vida. Conheça nosso trabalho e faça parte!

Para mais detalhes sobre o acompanhamento multiprofissional do Ambulatório de Prematuros, assista o vídeo.

No Ambulatório de Prematuros, além do acompanhamento altamente especializado, as crianças, adolescentes e seus familiares encontram também o apoio de voluntárias do Instituto do Prematuro que contribuem para tornar o ambiente ainda mais agradável.

São elas que auxiliam no acolhimento dos pacientes e acompanhantes, promovem atividades de entretenimento para as crianças enquanto aguardam pela consulta, preparam e distribuem os lanches servidos, cuidam do bazar, distribuem os benefícios e estimulam a troca de experiências entre as mães.

Por tudo isso, a parceria entre a Unifesp e o Instituto do Prematuro – Viver e Sorrir tornam o Ambulatório de Prematuros ou a “Casinha” tão especial. Um local, onde as famílias de prematuros graves encontram acompanhamento com profissionais de saúde altamente qualificados, apoio social e emocional para que se sintam seguros e, juntos, possam oferecer a essas crianças e adolescentes melhores condições de saúde e qualidade de vida. Conheça nosso trabalho e faça parte!

Para mais detalhes sobre o acompanhamento multiprofissional do Ambulatório de Prematuros, assista o vídeo.

Unidades Neonatais

Unidades Neonatais

A maior parte das pessoas já viu e se emocionou com a foto de um bebê prematuro muito pequeno sobre a mão de um adulto. A imagem revela o grau de fragilidade daquela vida e o quanto ela necessita de cuidados especiais para sobreviver. Mas, apesar de comovente, muitas pessoas desconhecem o quanto essa luta pela vida pode ser difícil. Segundo o Ministério da Saúde, a prematuridade ainda é a principal causa de morte em bebês com até um mês de vida.

Mas com os avanços da ciência e uso de tecnologia sofisticada, é possível reduzir os índices de mortalidade de prematuros graves e minimizar as chances de sequelas futuras.

Esse é o objetivo do Viver e Sorrir ao apoiar as atividades desenvolvidas nas Unidades Neonatais coordenadas pela Disciplina de Pediatria Neonatal da Escola Paulista de Medicina/Unifesp: captar recursos junto a empresários e sociedade para investir em materiais e equipamentos de tecnologia avançada que permitam aumentar as chances de sobrevida desses bebês.

São quatro hospitais públicos: Hospital São Paulo, Hospital Municipal Vereador José Storopolli, Hospital Estadual de Diadema e Hospital Geral de Pirajussara, que atendem gestantes pertencentes a famílias carentes. Muitas apresentam complicações de saúde como hipertensão arterial, diabetes, infecções, lúpus, transplantes de órgãos e carências nutricionais que as predispõe a partos prematuros.

Juntos, esses hospitais realizam cerca de 9000 partos por ano, sendo que, em média, 15% dos bebês nascidos são prematuros de risco e necessitam de cuidados especiais e intensivos. São, portanto, muitas vidas que precisam de ajuda. Esse investimento visa também melhorar as condições de trabalho e de aprendizagem, uma vez que as quatro Unidades Neonatais servem como campo prático de aprendizado e capacitação de médicos e outros profissionais de saúde que estão se especializando no cuidado a estes pacientes.

Por esse motivo, o apoio de empresários e sociedade é fundamental para que a Disciplina de Pediatria Neonatal disponha dos recursos necessários para oferecer a um número cada vez maior de prematuros a chance de VIVER E SORRIR com saúde e qualidade de vida.

– Apoio às Unidades Neonatais –

Nesses anos de trabalho, o Viver e Sorrir, com a ajuda de empresários, viabilizou aquisições importantes para as Unidades Neonatais que apoia, desde materiais de uso diário, especiais para prematuros, equipamentos modernos de tecnologia avançada, até investimentos nas áreas físicas que permitam melhorar a qualidade da assistência oferecida.

Entre as principais ações está a reforma geral na Unidade Neonatal do Hospital São Paulo, um dos mais importantes e prestigiados polos formadores de profissionais de saúde do país. Com o apoio de Chella e Moise Safra, a Unidade foi totalmente reformada e sua área física ampliada de 244 para 423 m², permitindo aumento da capacidade de internação de 25 para 31 leitos de internação, divididos em cuidados intensivos, intermediários, isolamento e Método Canguru, além da implantação do Posto de Coleta de Leite Humano. A reforma permitiu oferecer aos recém-nascidos, mães e profissionais mais conforto e melhores condições de trabalho para que haja uma assistência de excelência.

Entre os equipamentos doados aos hospitais por intermédio do Viver e Sorrir destacam-se três bilirrubinômetros que propiciam a avaliação da icterícia, problema frequente nos prematuros, com coleta de quantidade mínima de sangue.

Também foram doados quatro aparelhos de ultrassom e ecocardiograma de última geração, um para cada hospital afiliado, que permitem a realização de exames com grande precisão para diagnósticos à beira do leito. Este é um diferencial importante para os prematuros que necessitam de diagnóstico e tratamento precoce das doenças cardíacas, neurológicas e gastrointestinais, para evitar ou minimizar os riscos de complicações, mas que devem sofrer o mínimo de manipulação nas primeiras 72 horas de vida para evitar alterações hemodinâmicas e de pressão arterial, fatores de risco para hemorragia cerebral e sequelas futuras.

A doação de vestuário e mobiliário para implantação do Método Canguru também foi viabilizada para algumas Unidades pelo Viver e Sorrir. Esse método consiste em posicionar o prematuro em contato “pele-a-pele” com a mãe ou pai, e tem como benefícios: melhora do sistema imunológico do bebê, regularização da respiração, prevenção de infecções, manutenção da temperatura corporal, além da estimulação do aleitamento materno e o fortalecimento do vínculo entre a mãe e o bebê.

O aprimoramento de recursos humanos, físicos, equipamentos e materiais é essencial para que os profissionais consigam reduzir a mortalidade e minimizar a possibilidade de problemas determinantes para sequelas futuras.

Ainda há muito para fazer em cada uma das Unidades Neonatais, por isso a parceria entre universidade, sociedade, empresários e o Viver e Sorrir é tão importante para dar a esses prematuros de risco as chances de Viver e Sorrir com mais saúde e qualidade de vida.

A maior parte das pessoas já viu e se emocionou com a foto de um bebê prematuro muito pequeno sobre a mão de um adulto. A imagem revela o grau de fragilidade daquela vida e o quanto ela necessita de cuidados especiais para sobreviver. Mas, apesar de comovente, muitas pessoas desconhecem o quanto essa luta pela vida pode ser difícil. Segundo o Ministério da Saúde, a prematuridade ainda é a principal causa de morte em bebês com até um mês de vida.

Mas com os avanços da ciência e uso de tecnologia sofisticada, é possível reduzir os índices de mortalidade de prematuros graves e minimizar as chances de sequelas futuras.

Esse é o objetivo do Viver e Sorrir ao apoiar as atividades desenvolvidas nas Unidades Neonatais coordenadas pela Disciplina de Pediatria Neonatal da Escola Paulista de Medicina/Unifesp: captar recursos junto a empresários e sociedade para investir em materiais e equipamentos de tecnologia avançada que permitam aumentar as chances de sobrevida desses bebês.

São quatro hospitais públicos: Hospital São Paulo, Hospital Municipal Vereador José Storopolli, Hospital Estadual de Diadema e Hospital Geral de Pirajussara, que atendem gestantes pertencentes a famílias carentes. Muitas apresentam complicações de saúde como hipertensão arterial, diabetes, infecções, lúpus, transplantes de órgãos e carências nutricionais que as predispõe a partos prematuros.

Juntos, esses hospitais realizam cerca de 9000 partos por ano, sendo que, em média, 15% dos bebês nascidos são prematuros de risco e necessitam de cuidados especiais e intensivos. São, portanto, muitas vidas que precisam de ajuda. Esse investimento visa também melhorar as condições de trabalho e de aprendizagem, uma vez que as quatro Unidades Neonatais servem como campo prático de aprendizado e capacitação de médicos e outros profissionais de saúde que estão se especializando no cuidado a estes pacientes.

Por esse motivo, o apoio de empresários e sociedade é fundamental para que a Disciplina de Pediatria Neonatal disponha dos recursos necessários para oferecer a um número cada vez maior de prematuros a chance de VIVER E SORRIR com saúde e qualidade de vida.

– Apoio às Unidades Neonatais –

Nesses anos de trabalho, o Viver e Sorrir, com a ajuda de empresários, viabilizou aquisições importantes para as Unidades Neonatais que apoia, desde materiais de uso diário, especiais para prematuros, equipamentos modernos de tecnologia avançada, até investimentos nas áreas físicas que permitam melhorar a qualidade da assistência oferecida.

Entre as principais ações está a reforma geral na Unidade Neonatal do Hospital São Paulo, um dos mais importantes e prestigiados polos formadores de profissionais de saúde do país. Com o apoio de Chella e Moise Safra, a Unidade foi totalmente reformada e sua área física ampliada de 244 para 423 m², permitindo aumento da capacidade de internação de 25 para 31 leitos de internação, divididos em cuidados intensivos, intermediários, isolamento e Método Canguru, além da implantação do Posto de Coleta de Leite Humano. A reforma permitiu oferecer aos recém-nascidos, mães e profissionais mais conforto e melhores condições de trabalho para que haja uma assistência de excelência.

Entre os equipamentos doados aos hospitais por intermédio do Viver e Sorrir destacam-se três bilirrubinômetros que propiciam a avaliação da icterícia, problema frequente nos prematuros, com coleta de quantidade mínima de sangue.

Também foram doados quatro aparelhos de ultrassom e ecocardiograma de última geração, um para cada hospital afiliado, que permitem a realização de exames com grande precisão para diagnósticos à beira do leito. Este é um diferencial importante para os prematuros que necessitam de diagnóstico e tratamento precoce das doenças cardíacas, neurológicas e gastrointestinais, para evitar ou minimizar os riscos de complicações, mas que devem sofrer o mínimo de manipulação nas primeiras 72 horas de vida para evitar alterações hemodinâmicas e de pressão arterial, fatores de risco para hemorragia cerebral e sequelas futuras.

A doação de vestuário e mobiliário para implantação do Método Canguru também foi viabilizada para algumas Unidades pelo Viver e Sorrir. Esse método consiste em posicionar o prematuro em contato “pele-a-pele” com a mãe ou pai, e tem como benefícios: melhora do sistema imunológico do bebê, regularização da respiração, prevenção de infecções, manutenção da temperatura corporal, além da estimulação do aleitamento materno e o fortalecimento do vínculo entre a mãe e o bebê.

O aprimoramento de recursos humanos, físicos, equipamentos e materiais é essencial para que os profissionais consigam reduzir a mortalidade e minimizar a possibilidade de problemas determinantes para sequelas futuras.

Ainda há muito para fazer em cada uma das Unidades Neonatais, por isso a parceria entre universidade, sociedade, empresários e o Viver e Sorrir é tão importante para dar a esses prematuros de risco as chances de Viver e Sorrir com mais saúde e qualidade de vida.

Banco de Leite humano

Banco de Leite humano

O Banco de Leite Humano é um centro especializado, responsável pela promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno. Deve estar obrigatoriamente vinculado a um hospital materno-infantil e seguir as regulamentações do Ministério da Saúde e da Rede Nacional de Bancos de Leite Humano – Fio Cruz. O Banco de Leite Humano da EPM/Unifesp esta vinculado ao Centro de Incentivo e Apoio ao Aleitamento Materno – CIAAM, órgão complementar da EPM/Unifesp.

A Sede do CIAAM foi inaugurada no dia 12 de dezembro de 2002, localizada à Rua Dr. Diogo de Faria, 395. As instalações do Banco de Leite Humano propriamente ditas constam de consultório, sala de coleta, de processamento e conservação do leite humano e local de expurgo e limpeza. As atividades de pasteurização tiveram início em 18 de Agosto de 2003, após a capacitação de pessoal e vem acontecendo 2 vezes por semana, conforme a coleta do leite humano cru se intensifica. Em 01 de junho de 2009 começamos a coleta e distribuição do leite cru da própria mãe para o seu recém-nascido. Em março de 2013 foi inaugurada a sala de coleta no 8º Andar do Hospital São Paulo ao lado da UTI Neonatal. Essa sala tem a capacidade de atender as mães, que vem ao hospital visitar seus filhos internados na Unidade Neonatal, no processo de ordenha e funciona de segunda à sexta-feira das 8 às 16hs.

Uma equipe multiprofissional, constituída por médico, enfermeiro, fonoaudiólogo, nutricionista, psicólogo,técnico de enfermagem, técnico de nutrição e escriturário, atua no Banco de Leite Humano. Os funcionários foram habilitados pela Comissão Estadual de Bancos de Leite Humano.

As atividades do Banco de Leite Humano incluem:
  • Implementar estratégias de incentivo ao aleitamento materno nos diversos setores da instituição. Atender as nutrizes, internadas ou não, com dificuldades no aleitamento materno.
  • Oferecer atendimento telefônico às nutrizes nas questões relacionadas a amamentação. Colaborar e realizar pesquisas científicas relacionadas ao aleitamento materno.
  • Oferecer treinamento e capacitação em aleitamento materno aos profissionais da área da saúde e afins.
  • Oferecer cursos em aleitamento materno aos demais segmentos da sociedade.Por ano são realizados cerca de 2300 atendimentos entre ambulatório de aleitamento materno, icterícia, nutrição, psicologia, fonoaudiologia e ordenha e são pasteurizados ao redor de 150 litros de leite humano

O Banco de Leite Humano é um centro especializado, responsável pela promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno. Deve estar obrigatoriamente vinculado a um hospital materno-infantil e seguir as regulamentações do Ministério da Saúde e da Rede Nacional de Bancos de Leite Humano – Fio Cruz. O Banco de Leite Humano da EPM/Unifesp esta vinculado ao Centro de Incentivo e Apoio ao Aleitamento Materno – CIAAM, órgão complementar da EPM/Unifesp.

A Sede do CIAAM foi inaugurada no dia 12 de dezembro de 2002, localizada àRua Dr. Diogo de Faria, 395. As instalações do Banco de Leite Humano propriamente ditas constam de consultório, sala de coleta, de processamento e conservação do leite humano e local de expurgo e limpeza. As atividades de pasteurização tiveram início em 18 de Agosto de 2003, após a capacitação de pessoal e vem acontecendo 2 vezes por semana, conforme a coleta do leite humano cru se intensifica. Em 01 de junho de 2009 começamos a coleta e distribuição do leite cru da própria mãe para o seu recém-nascido. Em março de 2013 foi inaugurada a sala de coleta no 8º Andar do Hospital São Paulo ao lado da UTI Neonatal. Essa sala tem a capacidade de atender as mães, que vem ao hospital visitar seus filhos internados na Unidade Neonatal, no processo de ordenha e funciona de segunda à sexta-feira das 8 às 16hs.

Uma equipe multiprofissional, constituída por médico, enfermeiro, fonoaudiólogo, nutricionista, psicólogo,técnico de enfermagem, técnico de nutrição e escriturário, atua no Banco de Leite Humano. Os funcionários foram habilitados pela Comissão Estadual de Bancos de Leite Humano.

As atividades do Banco de Leite Humano incluem:
  • Implementar estratégias de incentivo ao aleitamento materno nos diversos setores da instituição. Atender as nutrizes, internadas ou não, com dificuldades no aleitamento materno.
  • Oferecer atendimento telefônico às nutrizes nas questões relacionadas a amamentação. Colaborar e realizar pesquisas científicas relacionadas ao aleitamento materno.
  • Oferecer treinamento e capacitação em aleitamento materno aos profissionais da área da saúde e afins.
  • Oferecer cursos em aleitamento materno aos demais segmentos da sociedade.Por ano são realizados cerca de 2300 atendimentos entre ambulatório de aleitamento materno, icterícia, nutrição, psicologia, fonoaudiologia e ordenha e são pasteurizados ao redor de 150 litros de leite humano

Como atuamos

Baixe nosso Estatuto Vigente

Como atuamos

Baixe nosso Estatuto Vigente